Pergaminhos da ultima geração





“Entraram em aliança de buscarem ao Senhor, Deus de seus pais, de todo coração, e de toda a alma”. 2 Crônicas 15:12

Ano de 2001, acampamento de jovens; tema: “Em chamas para Deus”.

Como alguns já devem saber esses acampamentos sempre trazem um renovo e um choque de ânimo, mas passando o tempo, aquela empolgação toda acaba, e lá estão os jovens de novo precisado de mais um acampamento, para outra injeção de ânimo.

Naquele ano posso dizer que estávamos cansados desta inconstância, então decidimos que depois do acampamento iríamos começar a orar todos os sábados pela manhã.

Realmente estávamos muito sedentos, para que as manifestações que havia nesses acampamentos permanecessem conosco, e estávamos decididos que isso poderia acontecer, e logo que acabou o acampamento, já marcamos a nossa primeira reunião de oração, para o sábado seguinte.

Acho que era de se esperar, o primeiro dia só veio eu, meu irmão e mais umas 6 pessoas, mas era um começo, então começamos a nos reunir um uma salinha da nossa igreja.

Éramos como crianças, que não sabem de nada, além de que tem fome e precisa ser saciada, não tínhamos conhecimento algum do que hoje se diz respeito à “mover profético”, éramos apenas adolescentes que estavam com os corações abertos a buscar a face do Senhor.

Nas primeiras reuniões, fazíamos à famosa “rodinha de mãos dadas” e orávamos pela nação, pelo culto de jovens, pelos nossos líderes.

Passou-se um mês que estávamos orando, os mesmos jovens do início e comecei a perceber que o nível de intimidade com Deus enquanto orávamos estava se intensificando cada dia mais, até chegar ao ponto que, ninguém precisava iniciar o tempo de oração, os jovens já chegavam em tamanha contrição, que já caíam no chão chorando, e clamando pela necessidade que tinham de Deus. Lembro-me que colocávamos um aparelho de som, com a canção “Preciso de Ti” bem baixinho, e deixávamos no repeat, e essa canção, eu creio que preparou muitos corações para entrarem na presença de Deus, com humildade, necessidade e temor.

O mover profético começa a se manifestar

Veja! Eu hoje dou a você autoridade sobre nações e reinos, para arrancar, despedaçar, arruinar e destruir; para edificar e plantar. Jeremias 1:10

“Eu vi que nós descíamos desta salinha e corríamos para o templo (o lugar onde a igreja se reunia). E toda a igreja estava envolta em incubadoras de vidro, as cadeiras onde as pessoas sentavam, eram de vidro. Então percebi que havia na mão de cada um de nós martelos, e então, com grande força nós abríamos as portas e com nossos martelos esmiuçávamos os vidros até que virasse pó”.

“Também vi que grandes águas queriam entrar dentro da igreja, mas na porta havia um grande bloco de vidro, que estava impedindo que as águas entrassem, então um grande martelo quebrou este bloco, e as águas passaram a entrar”.

“Deus me disse que somos como Neemias neste tempo. O Senhor nos dará os instrumentos para começarmos a construir o que está arruinado”.

Essas são algumas palavras que Deus começou a nos entregar naqueles dias, elas falavam a respeito desta geração, e como ela iria se mover nesta terra nos próximos anos, e nós não fazíamos a menor idéia disso.

Aconteceu que o período de manhã já não era mais suficiente para nós, estávamos sedentos, acabamos ficando todos os sábados o dia inteiro na igreja, porque a noite de sábado era o culto dos jovens, então ficávamos lá orando, compartilhando as palavras que Deus nos dava até chegar a hora culto.

Muitas vezes fomos dirigidos a ler Salmos que falavam da vitória do Senhor sobre seus inimigos, e normalmente quando isso acontecia éramos tomados pelo que nós chamamos hoje de “unção da alegria”; começávamos a rir tanto que muitos não agüentavam e caiam no chão com a mão na barriga, num êxtase de alegria que nos marcaram para sempre.

Estava acontecendo muitas manifestações “malucas”, do Espírito Santo, e o mais legal é que nessa época não havia congresso Profético, ou congresso de adoração, como os que há hoje, onde é muito comum ver essas coisas. A nossa igreja nem podia se auto-intitular pentecostal, pois não havia muita manifestação do Espírito, todos eram muito comportados! Nós estávamos sendo ensinados pelo próprio Espírito Santo, que ele também é autor de coisas malucas, além da nossa compreensão.

A fama do que estava acontecendo começou a se espalhar, tanto no culto de jovens, quanto na nossa própria igreja.

Até mesmo a adoração que ministrávamos tomou proporções que nunca iríamos imaginar, ao ponto de não precisarmos cantar, só com os primeiros acordes demônios se manifestarem, e jovens que estavam cativos serem libertos, outros que estavam desviados voltarem com choro e pranto.

Depois nem mais o sábado inteiro estava sendo o suficiente, então, começamos a orar todos os domingos também, antes do culto da igreja e as segundas feiras, estávamos sendo visitados pelo mesmo espírito que visitara os grandes avivalistas do passado, com uma sede por oração e intercessão até que Ele viesse.

Jovens que não estavam vindo na oração aos sábados de manhã começaram a vir, pois era visível o que Deus estava fazendo com todos que estavam participando desta reunião.

Através deste tempo, jovens se converteram, não porque cantávamos e tocávamos, ou porque nos vestíamos conforme a moda, mas sim porque nos abrimos para sermos a geração que o Pai deseja.

Um fato que jamais vou esquecer. Há algumas semanas havia aparecido duas garotas bem roqueiras na igreja, e elas sempre viam com umas camisetas de bandas como Nirvana, Blink 182, Silverchair e outras mais; eu as chamei para participarem do culto dos jovens, e na outra semana elas já estavam lá.

É claro que elas tiveram o privilégio de chegar neste tempo de busca, e elas presenciaram muitas coisas que já contei aqui, e começaram a vir em todas as reuniões.

Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do Juízo”. João 16:8


Então em um certo sábado, no culto de jovens, eu vi aquelas duas garotas entrar com camisetas com os dizeres: “JESUS”.

Na época a mãe de uma delas me procurou para falar que estava muito grata por Deus ter me colocado no caminho de sua filha, e para contar que ela havia pegado todas as suas camisetas e jogado fora, e que ela estava tremendamente feliz em como sua filha tinha mudado e com o que estava acontecendo.

Aquilo para mim foi simplesmente fantástico, porque ninguém falou para elas não usarem mais aquelas camisetas, foi uma convicção que o Espírito Santo colocou nelas, a cada dia me alegrava mais, por tudo ser uma obra do Espírito, não de homens.

A garota que a mãe veio me procurar, se tornou uma irmã mais nova para mim. Hoje ela é conhecida como a Vanessa que toca violão e canta neste ministério que nos foi dado por Deus, é casada com meu primo e é com toda certeza uma adoradora de coração puro e verdadeiro.

O que este tempo causou na minha vida e na de todos que se deixaram ser mudados, se tornou inspiração para que outros quisessem aquilo que tínhamos; e a única coisa que tínhamos, era o Espírito Santo, uma pessoa que se tornou mais chegado que um irmão para nós.

A transformação que Deus queria fazer naquele tempo não era a transformação das estruturas antigas de nossa igreja, porque isto não mudou; nem do nosso bairro ou da nossa cidade; mas a da nossa própria vida. Este foi o maior milagre que poderia acontecer: ‘Nunca mais fomos os mesmos’!.

A simplicidade em estar na presença de Deus, e essa ser a única coisa que realmente importa, é o segredo de vermos algo extraordinário acontecer em nossas vidas. Nos abrimos para ser transformados e nos transformamos em transformadores!

Hoje entendo que Deus nos preparou neste tempo que tivemos, para sermos a geração que ele sonhou que fossemos; uma geração de uma coisa, um desejo; busca-lo, até que Ele venha.

"Senhor, quebranta meu coração, fere meu coração com a ferida de fome por Ti, fere meu coração com a ferida de anelo por Ti, fere meu coração com a ferida de um coração contrito e quebrantado diante de Ti”. (Lady Juliana 600 anos à atrás)

Priscilla Kelly

1 Response to Pergaminhos da ultima geração

  1. JR Lemos says:

    Amada de Cristo Jesus, A paz do Senhor Priscila. Me chamo José Ricardo moro no Rio de Janeiro e através do Google cheguei a este interessante blog. Estava em busca de referéncias Lady Juliana e seus escritos, gostaria de saber se a irmã poderia me ajudar? Desde já agradeço a sua disposição em ajudar nesta busca. No mais Deus abençoe cada vez mais a todos.

Postar um comentário